O despertar da energia feminina

5 de junho de 2019

Como o caminho da Bênção Mundial do Útero tem auxiliado milhares de mulheres ao redor do mundo

Miranda Gray é uma ponte entre os mundos da criatividade, da cura e da consciência espiritual.

Miranda Gray é autora, artista, empresária e também facilitadora espiritual. Há anos realiza trabalhos de cura e consciência espiritual ligados à energia cíclica da mulher.

O Sagrado Feminino vem sendo cada vez mais estudado, debatido e vivenciado. A mulher moderna busca cada vez mais esses conhecimentos ancestrais. Como a própria Miranda enfatiza em seu livro mais recente, “O Sagrado Feminino sempre esteve conosco, algumas vezes reconhecido, amado e celebrado, e outras vezes reprimido, denegrido, escondido ou ignorado. Mas Ele sempre esteve lá, na paisagem e dentro das mulheres – é preciso somente mudar a forma como nós vemos as coisas para reconhecer a presença Dele” (O Despertar da Energia Feminina, pág. 11. Editora Gaia, 2019).

A autora realiza, desde 2012, o Womb Blessing (Benção do Útero), ritual que desperta as autênticas energias femininas e a verdadeira feminilidade, que é sagrada e divina.

Esse movimento espiritual vem crescendo em todo o mundo e se propõe a trabalhar os valores femininos em mulheres de todas as idades, seja de forma reflexiva ou em suas relações interpessoais, no trabalho ou em suas casas.

Entrevistamos Miranda e falamos sobre sua trajetória, seu trabalho como Moon Mother (“Mãe da Lua” ou “Mãe Lunar”) e também sobre sua nova obra, O Despertar da Energia Feminina: o Caminho da Bênção Mundial do Útero de Volta à Natureza Autêntica da Mulher, publicada pela Editora Gaia em maio.

Confira a entrevista completa:


Editora Gaia: Quando você começou a trabalhar diretamente com a pesquisa e a escrita sobre o Sagrado Feminino? O que a levou a entrar em contato com o tema?

Miranda: Eu sempre tive uma forte conexão com o Sagrado Feminino. Ainda criança, eu desenhava imagens de sacerdotisas e deusas, mesmo não tendo sido criada em uma religião que reconhece o Sagrado Feminino.

 Algo dentro de mim sabia que havia uma conexão. Na minha adolescência, comecei a explorar a mitologia e a arqueologia para encontrar a espiritualidade que eu sentia internamente e vinda do solo. Com vinte e poucos anos, enquanto eu me formava como ilustradora, passei a realmente reconhecer a conexão entre minhas energias criativa e espiritual, as energias do meu ciclo menstrual e as energias da lua e da Terra.

Isso tudo aconteceu antes da internet, então eu não podia simplesmente procurar por “energias espirituais femininas e o ciclo menstrual” no Google! Tive que escutar o meu corpo e explorar pessoalmente os ecos da antiga sabedoria espiritual feminina escondida dentro da mitologia, mas descoberta quando interpretada através da experiência da Mulher Cíclica.

Eu compartilhei o que encontrei e notei que outras mulheres tinham experiências semelhantes. Quando eu trabalhei como ilustradora com autores espirituais, pude explorar diferentes tradições e o resultado foi a publicação do meu primeiro livro, Lua Vermelha (Editora Pensamento, 2017).

Editora Gaia: Você acredita que o conhecimento ancestral pode ajudar as mulheres modernas? Em que sentido?

Miranda: As mulheres têm o mesmo corpo, quer tenham vivido no passado ou vivam no presente. No mundo moderno, não temos modelos, linguagem ou imagens que ensinem as mulheres a entender os aspectos espirituais e energéticos de seus ciclos menstruais. Entretanto, temos a interpretação dos mistérios das mulheres do passado – a expressão do divino através do corpo feminino. Encontramos imagens de deusas e de mulheres que se transformam em diferentes culturas. Também encontramos reflexões para os quatro arquétipos femininos, de forma individual, misturados ou ainda como companheiros em uma história cíclica. Eles nos dão uma linguagem na qual nos descrevemos para os outros. Por exemplo: “hoje, sinta a Feiticeira”. Eles nos dão uma imagem de quem somos e uma explicação de como nos sentimos. Essas imagens e palavras são mais do que apenas uma descrição; elas ressoam conosco em um nível subconsciente. Sentimos a verdade da sabedoria em nossos corpos, em nossos corações e em nossos ventres. Sentimos que eles nos refletem e que nós os refletimos. Elas nos oferecem uma maneira de nos identificarmos ou de encontrarmos um caminho através de nossa natureza cíclica, de descobrir a alegria e os dádivas em cada fase, e de compreender a completude final que nos espera em nossos últimos anos de vida. As imagens e a tradição oral de nossos ancestrais nos dão o que está nos faltando na vida moderna: um espelho para que possamos enxergar quem realmente somos.

“Nossa feminilidade não diz respeito somente à nossa fertilidade, ou mesmo ao fato de ter um útero físico ou um ciclo, ela está relacionada com a feminilidade original que habita em todas as mulheres e com o centro de energia que está na área do útero. Nós não precisamos acreditar na feminilidade autêntica do Sagrado Feminino – nós simplesmente somos essa feminilidade.” (O Despertar da Energia Feminina, pág. 15. Editora Gaia, 2019)

Editora Gaia: Você pode nos contar um pouco sobre O Despertar da Energia Feminina, seu novo lançamento no Brasil? O que as mulheres encontrarão neste trabalho?

Miranda: Estou muito feliz por ter publicado O Despertar da Energia Feminina no Brasil. Trata-se de um reflexo da visão que está no coração de todo o meu trabalho e, especialmente, no coração da Bênção Mundial do Útero para despertar o maior número possível de mulheres em todo o mundo, de modo que alcancem a sua feminilidade autêntica e vivenciem suas energias femininas em um mundo masculino.

A Bênção do Útero começou em 2012 e a comunidade agora tem 210.000 participantes e 5.800 Moon Mothers, mulheres que se oferecem a nutrir, apoiar e espalhar o despertar da feminilidade autêntica de outras mulheres

Meu novo livro conta a história da Bênção do Útero e do nosso despertar pessoal. Também é sobre experimentar esse despertar. Despertar a nossa autêntica feminilidade não é suficiente; também temos que vivenciá-la para provar a alegria, a felicidade, o bem-estar e as dádivas que ela nos traz.

Através do livro, quero compartilhar a profundidade e a beleza de nosso despertar com as mulheres, o que isso nos traz e como vivenciar nossas novas energias para criar a melhor vida feminina possível. Pretendo compartilhar mais sobre a Bênção do Útero e o significado de se participar dela, sobre a complexidade e a simplicidade do nosso elo uterino com os ciclos da Terra e da lua, e sobre como podemos nos abrir para trazer o Sagrado Feminino para dentro de nossos corações, ventres e vidas. Tenho a intenção de disseminar o que é ser fêmea e mudar a maneira como pensamos sobre nós mesmas. Eu quero guiar as mulheres por um caminho de atividades posterior à Bênção Mundial do Útero, para que possam fluir com as energias e dançar em seu novo eu. Quero mostrar o futuro às mulheres; as possibilidades que temos como mulheres cíclicas e o que precisamos mudar. E quero inspirar as mulheres com a beleza da visão de mudar o mundo; uma mulher de cada vez.

O Despertar da Energia Feminina foi escrito para difundir todas essas coisas e é por isso que estou muito feliz em tê-lo publicado no Brasil.

Editora Gaia: Você é escritora, artista e facilitadora espiritual. Como a troca de experiências com outras mulheres mudou a sua vida?

Miranda: Eu estou em uma posição única. Viajei ao redor do mundo conversando com mulheres sobre seus ciclos menstruais, sua espiritualidade, suas jornadas e suas experiências. Sinto-me profundamente honrada, porque isso me mostra a verdadeira força das mulheres, o brilho de sua criatividade e sensualidade, a profundidade de sua capacidade de amar e sua capacidade de seguir seus corações e expressar o Sagrado Feminino.

 Toda mulher que eu conheço me ensina alguma coisa. Elas ampliam meus horizontes e me mostram um aspecto diferente da vida visto através do feminino. Adoro essa oportunidade de compartilhar diferentes culturas, formas de vida e abordagens espirituais, e de ver que, onde quer que estejamos, seja qual for a nossa formação, seja qual for a nossa educação ou cultura, língua ou religião, há uma coisa que nos conecta: o centro energético do útero e nossa natureza cíclica. Todas as mulheres possuem os quatro arquétipos femininos e a Deusa Cíclica dentro de si. Para mim, esse tem sido o maior ensinamento pessoal, o de que estamos todas ligadas através de nossos ventres, expressando um arquétipo. Quando reconhecemos a natureza cíclica dentro de nós mesmas e de outras mulheres, damos o primeiro passo rumo à criação de formas novas e positivas de as mulheres viverem, trabalharem e criarem juntas.

Editora Gaia: E, finalmente: qualquer mulher pode participar da Bênção Mundial do Útero?

Miranda: A participação na Bênção Mundial do Útero está ao alcance de todos, independentemente de sua aparência externa ou constituição física. Não se trata de como o corpo de uma pessoa se parece. Importam os seus sentimentos e as suas energias internas.  Qualquer mulher pode participar, quer tenha ou não um útero ou um ciclo. Mulheres grávidas são bem-vindas, enquanto que garotas devem ter tido a primeira menstruação.

A Bênção do Útero é inclusiva e oferecida a todos, independentemente de cultura, idioma, situação social, religião ou orientação sexual. Nosso objetivo é traduzir as meditações para o maior número possível de idiomas. As Moon Mothers ajudam as mulheres que não têm acesso à internet a se inscreverem. Também queremos ser cada vez mais acessíveis. Sendo assim, providenciamos a meditação traduzida para a linguagem de sinais e, inclusive, tornamos viável a participação de uma comunidade norte-africana, que não apenas não possuía acesso à internet, como sequer possuía linguagem escrita. A Bênção Mundial do Útero é realizada por voluntários incríveis e apaixonados pela proposta do benefício a todas as mulheres ao redor do mundo. Sou profundamente grata por sua ajuda e seu apoio em manifestar a visão do despertar feminino.


Sobre a autora:

Escritora, artista, facilitadora espiritual e empresária, Miranda Gray é uma ponte entre os mundos da criatividade, da cura e da consciência espiritual e o mundo do bem-estar e do trabalho. Criadora de um movimento espiritual feminino que se expande mundialmente, tem uma abordagem realista da espiritualidade, em que acolhe a singularidade de cada mulher e a incentiva e orienta a se descobrir, expressar e viver em sintonia com os aspectos que compõem sua verdadeira natureza feminina – inclusive nos ambientes de trabalho.


Sobre a obra:

Em O Despertar da Energia Feminina, Miranda Gray compartilha com os leitores a história por trás da Bênção Mundial do Útero e oferece possíveis caminhos para questões fundamentais das mulheres modernas. O livro é repleto de reflexões surpreendentes, meditações e exercícios para mulheres que tenham ou não útero ou ciclo menstrual. Ainda inclui um guia essencial para a busca da verdadeira natureza feminina, “O Caminho da Bênção do Útero”, percurso de 28 dias que auxilia a sustentar a cura e o despertar que ocorrem por meio da Bênção do Útero.


Compre aqui: